Para dizer por aí o quanto ama sua profissão!!

quarta-feira, 14 de agosto de 2013
Esta bolsa personalizada foi feita a pedidos de uma amiga que tem orgulho de sua profissão. Ela é assistente social em um asilo em nossa cidade e quem acompanha (mesmo que por fotos) sabe o quanto ela se dedica e acredita no seu papel na sociedade.




Depois de entregar esta encomenda fiquei  pensando sobre nossas escolhas profissionais, o quanto elas nos fazem bem  (ou mal) e será que nossa profissão dá aos outros pistas de quem somos realmente? Será que elas tem a ver com nossa personalidade ou apenas obra do acaso ou da conveniência do momento?
Quando deixei de ser professora (fevereiro de 2012) e alguém me perguntava qual era minha profissão eu automaticamente respondia que era professora ou bióloga, mesmo não estando mais exercendo tais funções. Ficava confuso pra mim a definição do meu novo trabalho, artesã... crafter... o que eu era de fato? Nesta época acreditava que a definição do nosso trabalho era importante, não pelo status da função, mas por nos dar um passe para pertencermos a um grupo. Fazer parte de um grupo era não se sentir sozinha e sem vínculos com o mundo. 
Hoje penso que mais importante que o nome dado a nossa profissão é a realização que ela nos dá. Ela é fundamental para nossa vida, pois passamos grande parte dos nossos dias envolvidos com nosso trabalho e se não for para nos fazer bem é melhor mudar de profissão mesmo.
Quando comecei de fato a costurar e fazer patchwork meu marido deu de presente um livro chamado " O mundo segundo Steve Jobes" e separei dois textos dele pra compartilhar com vocês hoje:
" Dizem que você deve ter muita paixão pelo que faz, o que é absolutamente verdadeiro. (...) Assim, se você não amar a coisa, se não se divertir com ela, de fato não se empolgará e desistirá. E isso que acontece com a maioria das pessoas. Se você olhar para as pessoas que realmente são "bem-sucedidas" aos olhos da sociedade, e para aquelas que não são, as que alcançaram o sucesso amavam o que faziam e eram capazes de perseverar quando a jornada se tornava mais dura. E as pessoas que não amavam o que faziam entregavam os pontos, porque não são malucas, certo? Quem aguenta a barra se não for movido por amor? (...) se você não amar o que faz estará condenado ao fracasso." 30 de maio de 2007.
"E a única maneira de você fazer um ótimo trabalho é amar o que faz. (...)  Não se acomode." 12 de junho de 1995.
Então fica a dica: faça o que ama e quando alguém perguntar o nome de sua profissão diga: felicidade. 
Ah! E claro, quem quiser desfilar por aí com uma bolsa personalizada com o nome da sua profissão é só entrar em contato por e-mail: sisantanna1@gmail.com

Um abraço, Simone

6 comentários:

  1. Adorei a bolsa e principalmente sua reflexão, vc se tornou uma mulher muito inteligente e sensível, não que aquela menina que conheci anos atrás não fosse inteligente, mas era uma menina e agora uma mulher, parabéns minha amiga.Eu quero presentear uma amiga Assistente Social e vou te mandar email e vc me diz quanto custa tá. bjs
    Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rose, fiquei muito feliz com suas palavras, muito obrigada por você estar aqui. Vou responder seu e-mal com prazer.
      Um grande abraço, Simone.

      Excluir
  2. Adorei a reflexão Si, e também concordo com o texto.bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Niara, é um bom texto mesmo né? Bjs querida.

      Excluir

Olá, sua visita é muito importante para mim, cada recadinho me enche de alegria! Leio e respondo a todos eles aqui mesmo no blog. Obrigada.

 

Baú de Sonhos Copyright © 2013 Design by Cali Criativa